Porque criar abelhas nativas?

O Brasil possui dezenas de espécies de abelhas nativas ou indígenas como Jatai, Irapuã, Mombuca, Moçabranca, Mandaçaia, Uruçu, Jandira, Mirim. Elas produzem mel, cera, geléia real e própolis e mais importante: as abelhas nativas polinizam as flores, plantas e árvores nativas. Em algumas regiões chega a 90% o número de árvores polinizadas por estas espécies.

Porque criar abelhas nativas?

A MELIPONICULTURA, criação de abelhas nativas, é uma prática economicamente viável, ecologicamente sustentável e socialmente justa. Além de produzirem mel puro com propriedades medicinais, estas abelhas são importantes para polinizar espécies de plantas nativas.

Abelhas sem ferrão 

Albert Einstein disse: “Se as abelhas desaparecessem da face da Terra, as pessoas só teriam mais quatro anos de vida. Sem as abelhas não haveria a polinização, não haveria plantas, animais e seres humanos”.  A humanidade têm subestimado a importância desses pequenos animais. Cientistas estimam que uma a cada três mordidas de comida que uma pessoa come só é possível por causa da polinização realizada por abelhas.

Polinizadores têm um papel importante tanto na agricultura como nos ecossistema naturais. As plamtações dependem da polinização para produzir a maior parte dos alimentos que comemos – do trigo e aveia ao milho e tomates. Polinizadores também são a chave para manter a saúde e a biodiversidade do habitat da vida silvestre.

Os impactos da agricultura são uma preocupação, especialmente com os alimentos geneticamente modificados e outras modernas e intensivas práticas de plantio. No entanto, pouco se sabe sobre os seus efeitos nas populações de abelhas nativas e as conseqüentes implicações para a polinização.

O déficit de polinização (a diferença entre a polinização em potencial e a de fato) e a abundância de abelhas foram medidas em campos de canola (Brassica napus and B. rapa) convencionais, orgânicos e os geneticamente modificados no norte de Alberta no Canadá, no verão de 2002. As pesquisas mostraram que não havia nenhum déficit de polinização nos campos orgânicos, o déficit era moderado nos campos convencionais e maior nos campos geneticamente modificados.

A quantidade de abelhas era maior nos campos orgânicos, seguidos pelos convencionais e menor nos geneticamente modificados. No total, existe um relacionamento forte e positivo entre a quantidade de abelhas nos locais de amostra e déficits de polinização reduzida. O estudo ilustra a importância das abelhas nativas na produção agrícola e sugere que alguns agroecossistemas podem sustentar uma quantidade maior de abelhas resultando em uma produção maior de sementes.

DSC02563
Cuidar de abelhas

As abelhas nativas podem ser uma atração em qualquer jardim. As abelhas nativas não picam, como suas primas européias e africanas. Elas são tão agradáveis de se lidar que as crianças podem aprender a ser as guardiãs desses animais tão especiais. Ao plantar corredores de árvores melíferas em áreas urbanas, comunidades podem trabalham juntas para aumentar o número de abelhas nativas. Proteger as abelhas significa que você está protegendo a flora nativa do Brasil.

Plante árvores nativas!

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s